CONSERVAÇÃO DE TÊXTEIS: PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS EM FOCO NOS NOVOS HÁBITOS DOS EUROPEUS




Photo – Marcella Barbieri


O GINETEX revela os resultados do seu terceiro barómetro europeu IPSOS 2021 sobre cuidados de conservação de têxteis:


· Mais de 8 em cada 10 europeus consideram que a etiqueta de cuidados de conservação é útil. Em Espanha 74% consideram-na útil e na Suécia 87%.

· A grande maioria (71%) dos europeus segue as instruções de conservação. 81% seguem-nas na Suécia, em comparação com apenas 65% no Reino Unido.

· 74% dos europeus nunca ou raramente compram uma peça de vestuário sem etiqueta.

· Os europeus querem comprar de uma forma mais ética e responsável. 65% querem ver mais informações ambientais nas etiquetas de conservação de têxteis. A este respeito, gostariam preferencialmente de ver: destaque para as recomendações de conservação ecológicas (65%), a criação de um “eco-score” ambiental (56%) ou a ênfase na proporção de tecidos reciclados (57%).


Os europeus são consumidores regulares de têxteis que precisam de estar informados


De acordo com os resultados deste terceiro barómetro, os europeus - grandes consumidores de vestuário - estão cada vez mais atentos ao que adquirem quando compram os seus artigos têxteis. Nos sete países analisados, por exemplo, quase todos os entrevistados (93%) compraram pelo menos uma peça de roupa nos últimos seis meses. Esse número chegou a 95% para os italianos, 96% para os checos e 97% para os espanhóis que evidenciaram a maior probabilidade de ter comprado uma peça de roupa nos últimos seis meses.


Os europeus preocupam-se com a qualidade do seu vestuário e atribuem grande importância aos aspetos técnicos. Embora o preço continue a ser o principal critério para a escolha de uma peça de roupa, a relação custo-benefício, a qualidade, o conforto e a aparência geral da peça também são critérios importantes para os consumidores.


Quando comparado ao barómetro anterior de 2019, algumas características como a qualidade do vestuário são cada vez mais determinantes na compra efetiva. Hoje, 49% dos europeus consideram que a qualidade das roupas que vão comprar é um critério importante - uma percentagem que aumentou 4 pontos em dois anos. Além disso, de notar: outros critérios como a marca (+ 4 pontos) ou o país de origem da roupa (+ 1 ponto) estão a tornar-se cada vez mais importantes.


A etiqueta têxtil: uma popular fonte de informação entre os europeus


Embora o tamanho (96%) e a composição dos artigos têxteis (74%) continuem a ser as informações mais procuradas pelos europeus, a presença ou ausência de instruções de conservação também tem um impacto significativo na sua decisão de compra.

Quase seis em cada dez europeus (59%) prestam atenção à etiqueta de conservação quando compram uma peça de roupa. Essa proporção chega a 63% na Alemanha, 65% na Suécia e até 66% na Itália.


A etiqueta de conservação de têxteis é uma informação essencial para a grande maioria das pessoas inquiridas: 74% dos europeus nunca, ou raramente compram uma peça de roupa sem uma etiqueta de instruções de conservação o que demonstra como é importante para os europeus. Os britânicos e os alemães são os que mais valorizam as etiquetas de conservação: para 83%, comprar um artigo têxtil sem etiqueta não é uma opção, ou raramente acontece.


Apesar da sua popularidade e da atenção que desperta, a relação dos europeus com a etiqueta de conservação é contraditória em termos de interesse. Enquanto 71% dos europeus, em média, afirmam seguir as instruções de conservação (82% até as consideram úteis), este barómetro mostra também que este número varia consideravelmente de um país para outro. Apenas 65% dos britânicos e 67% dos espanhóis dizem que seguem as instruções de conservação, em comparação com mais de 80% dos suecos. No entanto, 68% das pessoas inquiridas dizem que cortaram as etiquetas das suas roupas. Enquanto a maioria dos consumidores europeus corta as etiquetas, os britânicos preferem mantê-las. Destes, apenas 46% eliminam a etiqueta de conservação.


Qual a razão para esta diferença? Na maioria das vezes, os europeus leem as instruções das etiquetas de conservação ao lavar o artigo pela primeira vez (47%) ou quando compram uma peça de roupa nova (25%).


Duas razões principais explicam porque os europeus leem e seguem as instruções de conservação: 34% afirmam seguir as instruções para manter as roupas em bom estado para que possam usá-las por mais tempo, enquanto 32% seguem-nas para evitar problemas aquando da lavagem das roupas.


Por fim, embora os consumidores se queixem de que as etiquetas são muito extensas (56%), ainda assim gostariam que incluíssem mais informação, especialmente ambiental. Na verdade, 65% dos entrevistados gostariam que as etiquetas contivessem, por exemplo, instruções de conservação amigas do ambiente. Esta pontuação é particularmente importante na França (68%), Espanha (69%) e Itália (80%). Da mesma forma, os europeus gostariam de ser melhor informados sobre a proporção de tecidos reciclados nas suas roupas (57%). As expectativas dos consumidores espanhóis (60%) e italianos (72%) são ainda superiores.


Finalmente, 56% dos europeus gostariam que as roupas tivessem uma pontuação ecológica. Assim, novamente, os consumidores franceses (64%), espanhóis (64%) e italianos (71%) são os mais exigentes.


Para além desta abordagem ecológica, os consumidores do Sul da Europa desejam consumir de uma forma mais ética e responsável. O país de origem do vestuário é um critério muito mais importante para os consumidores franceses (59%) e italianos (66%) do que para o resto dos europeus (48% no total). Pelo contrário, os consumidores britânicos (39%) e checos (32%) dão pouca importância à origem da roupa.


Por vezes, os símbolos da etiqueta de conservação não são reconhecidos

Embora os europeus reconheçam amplamente a utilidade da etiqueta de conservação têxtil, a compreensão dos símbolos de conservação permanece heterogénea. 98% identificam perfeitamente o símbolo de passagem a ferro. O mesmo vale para o símbolo da lavagem, bem reconhecido por nove em cada dez pessoas (90%). Para os outros símbolos, no entanto, as proporções são muito mais baixas. Apenas 27% das pessoas inquiridas conhecem o símbolo do branqueamento (38% reconhecem-no em Espanha e 37% na Itália), 25% para o de secagem e apenas 16% para o de limpeza profissional.


Os resultados do barómetro também mostram que 85% dos entrevistados tratam das suas próprias roupas. É no Reino Unido (88%) e na Suécia (90%) que os inquiridos mais tratam das próprias roupas. Acima de tudo, os resultados mostram que as mulheres são mais propensas a tratar da roupa sozinhas do que os homens (94% vs. 75%). A proporção de homens que tratam das suas roupas é mais baixa na Itália, Espanha e República Tcheca



MY CARE LABEL - A nova aplicação internacional para compreender as suas etiquetas e tratar dos seus têxteis


Para ajudar os europeus a familiarizarem-se com estes símbolos de conservação, o GINETEX desenvolveu uma aplicação móvel: "MY CARE LABEL". Esta nova aplicação móvel, agora lançada internacionalmente pelo GINETEX, ajuda os utilizadores a tratar das suas roupas no dia-a-dia. Além de explicar os símbolos de conservação de têxteis, MY CARE LABEL fornece dicas e conselhos para limpar e conservar os seus têxteis, ao mesmo tempo que cuida do planeta.




O desejo comum dos europeus de englobar mais conhecimentos ambientais na conservação dos têxteis


Hoje, a consciência ambiental espalhou-se o que se traduz claramente nos resultados do nosso barómetro. Se os europeus querem mais informações sobre os cuidados ecológicos de conservação dos têxteis, é porque eles próprios estão inclinados a mudar os seus hábitos de limpeza e a torná-los mais amigos do ambiente.


54% dos europeus usam a quantidade certa de detergente por razões ambientais (contra 36% por razões económicas). Além disso, metade (51%) tenta lavar as suas roupas a uma temperatura mais fria (36% o fazem por razões económicas), e 49% dos entrevistados enchem a máquina de lavar até á capacidade máxima (40% fazem-no por razões económicas).


Esses esforços ecológicos também estão presentes nos hábitos de secagem dos europeus. Quando deixam a roupa secar naturalmente ao ar livre, 46% dos entrevistados afirmam que o fazem para proteger o meio ambiente (31% por motivos económicos). Por fim, quando se trata de passar a ferro, os europeus também procuram tratar da roupa passando-a na temperatura certa (40% fazem-no por motivos ecológicos contra 34% por motivos económicos), 39% dos entrevistados também explicam que passam menos com a finalidade de proteger o meio ambiente (em comparação com 37% por razões económicas).


Sabia que …?







Clevercare.info oferece aos consumidores a opção de tratar dos têxteis de uma maneira mais ecológica e sustentável. Disponível online, em 23 idiomas, o website oferece conselhos e dicas para desenvolver hábitos de limpeza adequados no dia-a-dia, respeitando também os símbolos de conservação nas etiquetas das roupas.


55% dos entrevistados considerariam visitar o website brevemente, para saber mais sobre as etapas simples e acessíveis para o tratamento ecológico de têxteis:

- Lave as roupas apenas quando necessário

- Reduza a temperatura de lavagem para reduzir o consumo de energia

- Prefira a secagem natural para a sua roupa

- Use limpeza profissional quando recomendado



Metodologia usada no estudo


Este estudo foi conduzido pelo instituto IPSOS, para o GINETEX, Associação Internacional para a Etiquetagem de Conservação de Têxteis, numa amostra de 1.000 pessoas com idades entre 18 e 65 em cada um dos 7 países (ou seja, um total de 7.000 pessoas): França, Alemanha, República Checa, Reino Unido, Suécia, Itália e Espanha. Este estudo foi realizado online de 18 a 21 de dezembro de 2020 na França e de 25 de janeiro a 15 de fevereiro de 2021 na Alemanha, República Checa, Reino Unido, Suécia, Itália e Espanha.


Acerca do GINETEX

Inicialmente fundado em Paris, em 1963, o GINETEX, Associação Internacional para Etiquetagem de Conservação de Têxteis, desenvolveu um Sistema de etiquetagem de conservação de têxteis baseado em símbolos e aplicável internacionalmente, cujo objetivo é informar as empresas têxteis e de confeção e os consumidores acerca da melhor forma de conservarem os têxteis. Os pictogramas usados são marcas registadas e são propriedade do GINETEX. O GINETEX promove estes símbolos mundialmente e coordena o seu conteúdo técnico numa escala global – o que é essencial para a definição e aplicação da simbologia de etiquetagem de conservação. Atualmente o GINETEX conta com 22 estados membro.


A ANIVEC/APIV (Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção) é o representante Português do GINETEX, detendo o exclusivo da utilização dos símbolos de conservação de têxteis, essenciais para que as empresas nacionais possam comercializar os seus produtos no estrangeiro. A ANIVEC/APIV promove a implementação dos símbolos de conservação de têxteis, concedendo o direito de reprodução e utilização dos mesmos e controlando a sua utilização.



Notícia Relevante
Notícias Recentes
Arquivo
  • Facebook App Icon

ANIVEC / APIV

ANIVEC / APIV - Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção

1/10