PRESIDENTE ANIVEC EM ENTREVISTA À SIC



Em entrevista à SIC, o Presidente da ANIVEC, César Araújo, alerta que a "indústria de vestuário e moda encontra-se numa situação difícil desde o início da pandemia” e que enquanto grande parte do Mundo promova medidas de recolher obrigatório, confinamento e teletrabalho, em detrimento da socialização, a recuperação estará longe de acontecer.


Sendo tradicionalmente um setor exportador de artigos de luxo, usados pelas pessoas na sua dinâmica normal, a retração do consumo é inevitável e continuará a aumentar tanto quanto mais restritivas forem as medidas implementadas na Europa e no Mundo.


Ao mesmo tempo, este é um setor de atividade com capital humano intensivo, o que representa um peso elevadíssimo na estrutura das empresas que se veem excluídas dos estímulos exclusivos a PME’s por, massivamente, promoverem a criação de postos de trabalho. Como tem vindo a defender o Presidente da ANIVEC, as empresas da indústria do vestuário e confeção concorrem com desvantagem face a empresas de outros setores que não requerem tantos recursos humanos e que mesmo tendo faturação anual superior, são abrangidas pelos ditos estímulos. O trabalhador nunca pode ser uma variante negativa nem um fator discriminador. Assim, deve ser redobrada a atenção dada às empresas deste e doutros sectores, igualmente penalizados, que promovam a manutenção dos postos de trabalho.


A pandemia veio desencadear uma catástrofe sem precedentes e o que agora é o colapso da economia de mercado, vai tornar-se numa recessão económica inigualável. Esta crise está a enfatizar as fragilidades de uma indústria que, como César Araújo tem vindo a salientar, está a ser dada como moeda de troca sem qualquer regulamentação num processo de globalização, colocando-a num mercado sem fair-play. A excessiva dependência de produtos com proveniência da Ásia, que no vestuário corresponde a 85% do que é consumido na Europa, compromete a competitividade do sector.


O futuro da atividade no setor do vestuário e confeção adivinha-se debilitado caso se mantenha esta dependência por produtos de origem asiática. César Araújo acredita que é preciso "repensar a Europa", com o desenvolvimento de um "plano Marshal" que permita aos europeus terem meios para voltar a consumir e simultaneamente que promovam a vitalidade das empresas, regulamentando o mercado e incentivando o consumo do que é produzido na Europa. Assim, o Presidente da ANIVEC, defende ainda que é necessário reunir condições para que as empresas assumam o compromisso de garantirem que “que pelo menos 30% do que comercializam na Europa seja Made in Europe”, medida que irá proteger e desenvolver o tecido industrial europeu.


Para ver entrevista na integra, clique aqui.




Notícia Relevante
Notícias Recentes
Arquivo

SIGA-NOS:

  • Facebook App Icon

ANIVEC / APIV

ANIVEC / APIV - Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção

Gerber Task Force

Gerber Task Force

Gerber

Gerber

TopAtlântico

TopAtlântico

GERBER TECHNOLOGY

GERBER TECHNOLOGY

GERBER TECHNOLOGY

GERBER TECHNOLOGY

Fabrics4Fashion

Fabrics4Fashion

The best selection of the finest fabrics for garments!

FUSÃO Comunicação e Imagem

FUSÃO Comunicação e Imagem